B3

B3
Dentre todas as tentativas de competição, talvez a de Mubadala seja a mais capaz de fazer funcionar uma operação desse porte, destaca analista (Imagem: REUTERS/Amanda Perobelli)

O Brasil pode estar prestes a ganhar uma nova Bolsa de Valores, relata o colunista Lauro Jardim, da Globo. E, segundo o jornalista, o Capital de Mubadalado Emirado de Abu Dhabi, estaria por trás do empreendimento.

A nova bolsa seria no Rio de Janeiro e presidida por Claudio Pracownik, ex-Agora e Genial Investimentos. A operação está prevista para começar no segundo semestre de 2025, informa a coluna.

E nesta história, o que poderia dar errado é o B3 (B3SA3). As ações da empresa caíram 3,20%, a R$ 12,42.

Para o Ativar investimentosa notícia carece de mais informações, mas o fato é negativo para a operadora.

No início do ano passado, a Mubadala adquiriu participação majoritária na Americas trading Group (ATG), dona de plataforma de negociação eletrônica no mercado brasileiro, desde então já corria o boato de que a operação poderia resultar em concorrente da B3.

“Vale ressaltar que desde 2017 a B3 é a única exchange do Brasil, e nos últimos anos houve tentativas frustradas de confronto com a empresa”, acrescenta.

Segundo analistas, com o bear market vivido pelo mercado de ações nos últimos anos, esses movimentos não foram mais observados.

“No entanto, com o ciclo de queda dos juros, voltamos a ver novidades nesse sentido. Vale ressaltar que há 10 dias tivemos informações sobre a SL Tools fazendo o mesmo movimento”, explica.

“Finalmente, dentre todas as tentativas de concorrência, talvez o Mubadala seja o mais capaz de fazer funcionar uma operação desse porte, que traz ainda mais riscos para a B3”, afirma.

Fonte