AWS segue o Google ao anunciar transferências gratuitas e irrestritas de dados para outros provedores de nuvem

A subsidiária de computação em nuvem da Amazon, AWS, revelado que permitirá que os clientes transfiram seus dados para fora de seu ecossistema sem o chamado “taxas de saída” apegado.

A notícia surge cerca de dois meses depois do Google anunciado planos semelhantes, embora no caso do Google, como o terceiro maior player no triopólio de nuvem pública depois da AWS e da Microsoft, tenha sido fortemente incentivado a “liderar pelo exemplo” – se for mais barato deixar completamente a AWS ou o Azure, então uma empresa pode simplesmente ser mais inclinado a abandonar o navio para um dos outros jogadores.

No entanto, estas decisões seguem disposições estabelecidas no Lei Europeia de Dados que entraram em vigor em janeiro e que se destinam a promover a concorrência, permitindo que os clientes da nuvem mudem de fornecedor com mais facilidade – seja para uma nuvem totalmente diferente; através da adoção de uma abordagem multinuvem; ou transferir todos os seus dados internamente para uma infraestrutura local.

Embora a AWS já permita que os clientes transfiram gratuitamente até 100 GB de dados por mês de seus servidores, isso não cobrirá empresas que buscam “levantar e transferir” todos os seus armazenamentos de dados para outro provedor – e é isso que está efetivamente mudando para a AWS clientes a partir de hoje.

Também vale a pena notar que, embora a Lei Europeia de Dados esteja inteiramente preocupada em promover a concorrência na Europa, a medida da AWS aplica-se às suas operações a nível global (semelhante ao anúncio do Google no início deste ano).

As empresas que desejam migrar seus dados para fora da AWS devem entre em contato com a AWSque aparentemente emitirá créditos pelos dados que estão sendo migrados. Embora o principal defensor do desenvolvedor da AWS, Sébastien Stormacq, diga que “espera sinceramente que não”.

A Microsoft provavelmente seguirá o exemplo agora que o Google e a AWS anunciaram esses planos. O TechCrunch entrou em contato para comentar e atualizará quando (ou se) recebermos resposta.

Fuente