Bolsa de Valores

Bolsa de Valores
Não faltarão oportunidades de lucro para investidores que saibam se posicionar corretamente- (Imagem: REUTERS/Amanda Perobelli)

O cenário de investimentos para pessoas físicas no Brasil está prestes a sofrer uma mudança brutal em apenas um semestre. Isso é o que você acredita Filipe MirandaCIO e estrategista-chefe da Empiricus Research.

Miranda é autora de uma das maiores e mais conhecidas teses financeiras do país. Em 2014, em meio à euforia da Copa do Mundo, Miranda previu que o país passaria por uma grave recessão devido à forma como a então presidente Dilma Rousseff conduzia o país.

Dito e feito: naquele ano estourou a crise do Petrolão, dando origem à investigação da Lava Jato e às pedaladas fiscais do governo.

Diante dos sinais de que as coisas iam mal na economia, o estrategista tomou duas decisões ousadas que colocaram seu nome entre a “nata” do mercado financeiro nacional:

  1. Alertou os assinantes da série Palavra do Estrategista, que lidera até hoje, para desmontarem a posição das ações da PETR4 (Petrobras), reconhecendo que a empresa passaria por um colapso;
  2. Ele recomendou a compra de dólares a R$ 1,90 sob a perspectiva de que a moeda americana chegaria a R$ 4 dentro de um ano.

O que aconteceu a seguir entrou para a história: em 2015, o dólar chegou a R$ 4 e dobrou o dinheiro de quem investiu seguindo recomendação do estrategista. No total, houve uma valorização de 123% em poucos meses, enquanto a PETR4 (Petrobras) despencou com o escândalo.

Agora, em relatório divulgado recentemente aos assinantes da mesma série Palavra do estrategista, ele compartilha sua visão sobre o futuro do mercado de ações. Para ele, um “milagre” poderá se manifestar nos próximos 6 meses:

“Em seis meses, o milagre ficará claro.”

Entenda agora o que significa esta previsão poética e esperançosa.

Haverá um milagre? Estas ações podem disparar; um deles, até 100% na opinião do analista

Isso porque está ocorrendo uma verdadeira transição no comportamento dos investidores brasileiros que, nos últimos tempos, foram desencorajados pelo ambiente de investimentos em renda variável.

Os fatores foram diversos, mas se destacaram por:

  • Taxas de juros elevadas, causando preferência por títulos de renda fixa (principalmente aqueles com incentivos) e uma verdadeira fuga de investimentos em fundos e ações;
  • Desempenho instável do mercado acionário, devido à diminuição dos lucros das empresas devido ao aumento das taxas de juros no país;

Porém, como aponta Miranda, esse cenário está mudando silenciosamente. O analista elenca fatores que vão aguçar novamente o apetite dos investidores por ativos de risco nos próximos meses.

Por causa dessas transformações, quem sabe se posicionar agora, nas ações certas, poderá colher bons resultados num futuro próximo.

Para se ter uma ideia, há uma parcela que, na opinião de Miranda, pode passar de R$ 12 para R$ 22 até dezembro deste ano.

Isso significa que quem investir hoje poderá praticamente dobrar seu dinheiro em poucos meses.

E ela não é a única que poderia se beneficiar deste cenário, pois é benéfico para um grupo de ações específicas na Bolsa de Valores.

Menos títulos incentivados, mais apetite por fundos e ações

Para Miranda, os investidores devem começar em breve a migrar seus recursos para ativos de risco.

Um dos principais motivos pelos quais o analista acredita nessa migração é a recente decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN) de ajustar as regras para emissão, pelo setor privado, de títulos incentivados, especialmente aqueles ligados ao agronegócio e ao setor imobiliário. setor e que possuem isenção de Imposto de Renda para investidores.

Agora, muitos títulos da família de LCIs, LCAs, CRIs e CRAs que não financiaram diretamente os setores do agronegócio e imobiliário terão mais dificuldade de serem emitidos nessas categorias, que são isentas.

Com essa isenção, os emissores poderiam oferecer taxas mais baixas, resultando em títulos atrativos, o que ajudou a reduzir o custo de toda a operação.

Contudo, as empresas de securitização e os bancos acabaram por abusar destes títulos, aproveitando-se deles para financiar operações que afetassem os setores a serem incentivados ou que já contassem com algum tipo de subsídio governamental.

Um dos títulos que ganhou notoriedade foi o de Zamp, controlador do Burger King no Brasil, que anunciou a emissão de um CRA no valor de R$ 500 milhões para compra de carne.

Distorções deste tipo acabaram por gerar uma proliferação de títulos isentos em busca de financiamento de baixo custo.

Isso também beneficiou o investidor em renda fixa, que passou a ter à sua disposição títulos rentáveis ​​e, no caso de LCI e LCA, seguros e com boa liquidez.

Agora, o fim dessa dinâmica poderá resultar em uma migração significativa de recursos para renda variável, o que por sua vez pode impulsionar o desempenho das ações.

Inflação e Selic em queda, bolsa em alta

Além disso, outro fator que contribui significativamente para a visão otimista de Felipe Miranda é a flexibilização monetária que as economias globais estão vivenciando.

Após 2 anos aumentando a taxa de juros para conter a inflação, o Banco Central iniciou uma política de redução da taxa Selic.

Muito disso se deve ao fato de os índices que medem a inflação surpreenderem consecutivamente para baixo.

Este cenário de inflação controlada é essencial para estimular o crescimento económico e aumentar a confiança dos investidoresuma vez que um ambiente de inflação baixa permite a redução das taxas de juro.

Isto, por sua vez, aumenta o poder de compra da população, os lucros das empresas e, consequentemente, o preço das empresas listadas em bolsa.

Potencial entrada de investimento estrangeiro

Outro aspecto crucial que reforça o otimismo de Felipe Miranda é a possível entrada de investimentos estrangeiros.

Para quem não sabe, os investidores estrangeiros são os principais agentes formadores de preços na Bolsa de Valores brasileira.

É responsável por mais de 50% do fluxo de compradores. Ou seja, quando o ‘gringo’ tira dinheiro do país, a Bolsa cai e quando ele coloca, a Bolsa sobe.

Agora, conseguimos avanços importantes na parte fiscal do país com a aprovação de diversas reformas.

Este cenário de equilíbrio nas contas externas é essencial para aumentar a confiança dos investidores e reduzir os riscos relacionados com a instabilidade cambial e possíveis crises financeiras.

Um horizonte curto de 6 meses, um milagre à vista e 10 ações que podem decolar; descubra a lista

Felipe acredita que o mercado financeiro tende a antecipar movimentos, e muitos já olham para seis meses à frente —ele inclusive. Os fatos e análises que compõem sua narrativa sugerem que estamos à beira de uma mudança significativa no cenário de investimentos brasileiro.

Com a queda da Selic, a inflação sob controle e a oferta reduzida de títulos incentivados, os investidores brasileiros deverão ficar cada vez mais motivados a reconsiderar a renda variável em busca de melhores retornos.

Essa tendência, aliada ao interesse de investidores estrangeiros, aponta para uma possível entrada significativa de capitais no mercado acionário brasileiro.

O aumento do número de investidores que entram no mercado aumenta a procura por ações. Além disso, é mais fácil comprar e vender ações porque há mais dinheiro circulando no mercado. Isto pode causar os preços sobem mais rápido.

Para os investidores atentos e alinhados a esta visão estratégica, o cenário é promissor. Afinal, como prevê Miranda, “em seis meses o milagre ficará claro” e haverá um grande oportunidade de obter retornos atrativos.

Este é o momento de considerar suas opções de investimento. Qualquer pessoa que saiba se posicionar corretamente agora tem potencial para desfrutar de crescimento e lucratividade que chegará em alguns meses.

Contudo, é importante destacar que, embora os indicadores apontem para uma melhoria nas condições de investimento, também existem desafios e incertezas a serem considerados.

Neste sentido, é essencial que os investidores estejam bem informados e preparados para tomar decisões informadas. Isto inclui pesquisar orientação de profissionais qualificados.

É por isso que a Empiricus e seus analistas oferecem a todo brasileiro interessado em buscar lucros na Bolsa uma lista de 10 melhores ações brasileiras totalmente grátis para aproveitar os movimentos atuais do mercado.

São papéis extremamente baratos e com alto potencial lucrativo. Quem souber investir agora nas empresas certas colherá bons frutos num futuro próximo. Para receber sua lista de Ações Recomendadas e confira a tese de investimento de cada um desses 10 ativos totalmente gratuitosbasta acessar o link abaixo e se cadastrar.

Fonte