Dupla portuguesa garante final do Mundial de natação artística

Cheila Vieira e Beatriz Gonçalves atingiram o 8.º lugar na prova de dueto técnico

Depois de se qualificarem para a final, as portuguesas Cheila Vieira e Beatriz Gonçalves terminaram esta segunda-feira a prova de dueto técnico de natação artística dos Mundiais Aquáticos, em Doha, no 8.º lugar e alcançaram o melhor resultado de sempre para Portugal.

Dupla portuguesa garante final do Mundial de natação artística

Cheila Vieira e Beatriz Gonçalves alcançaram o 10.º lugar na qualificação

As lusas totalizaram 236.8117 pontos, ao serem avaliadas com 92.5500 no desempenho artístico e 144.2617 na execução, após uma prova com um grau de dificuldade de 34.1500 (a 10.ª mais baixa, entre as 12 finalistas).

«A nossa estratégia está a resultar que é ir com calma. Estamos a fazer alterações na nossa coreografia para aumentar a dificuldade, mas alterações dentro do possível, que nós sabemos que somos capazes de entrar na água e fazer. Conseguimos provar isso ao melhorar da eliminatória para a final», referiram as nadadoras.

A dupla portuguesa bateu o resultado das eliminatórias – 231.5767 pontos, que valeu a 10.ª posição – que constituía a pontuação mais elevada em Mundiais – e superou ainda o 11.º lugar obtido em Fukuoka, no Japão, em 2023.

As chinesas Liuyi Wang e Qianyi Wang conquistaram a medalha de ouro, com 266.0484 pontos, seguidas das britânicas Kate Shortman e Isabelle Thorpe (259.5601) e das espanholas Alisa Ozhogin e Iris Casas (258.0333), que arrecadaram as medalhas de prata e de bronze, respetivamente.

Cheila Vieira e Beatriz Gonçalves partiram para a capital do Qatar com o objetivo de alcançarem o apuramento inédito para os Jogos Olímpicos, que resulta do somatório da pontuação das provas de dueto técnico e dueto livre, no entanto estas eliminatórias estão agendadas para quarta-feira e as finais para quinta-feira.

Assim, as contas da qualificação para Paris-2024 fazem-se apenas na sexta-feira, no final da prova de equipas livre, que definirá as cinco apuradas (para além das já qualificadas), pois os países que qualificarem uma equipa garantem também a presença de um dueto nos Jogos Olímpicos.

Aquele formato determina que restam apenas três vagas para os duetos mais bem classificados ainda sem a qualificação para Paris2024 e é dentro desses lugares que a dupla lusa precisa de terminar para atingir o objetivo inédito para Portugal nesta disciplina.

Fuente